Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Praça da Alfândega

Porto Alegre cresceu muito no século XX, mudando bastante sua configuração, porém mantendo parte de seu patrimônio cultural na área central, colaborando para o tombamento do Centro Histórico e a sua revitalização pelo governo municipal em parceria com o Programa Monumenta.

Um dos projetos do Monumenta na cidade, foi a pesquisa arqueológica na Praça da Alfândega, lugar no qual um dia havia um cais, que com o aterramento da região se transformou em uma praça de grande circulação, onde na década de 30 era um espaço de convívio da sociedade porto-alegrense.

Com o passar do tempo, a Praça foi se tornando o que ela é hoje, um local de passagem e espelho de problemas sociais, mas também de muita cultura e diversidade. Devido ao seu valor cultural e a localização privilegiada, estão sendo feitas obras no sentido de restaurar o ambiente que a Praça tinha no início do século passado.

Além de ser um dos marcos iniciais da cidade, uma vez por ano, desde 1954, a Praça da Alfândega recebe durante 15 dias a Feira do Livro, o maior evento literário realizado a céu aberto das Américas.

A Praça conta com diversos monumentos, com relevância para os Monumentos ao Barão do Rio Branco e General Osório, além do grupo de esculturas de Mário Quintana e Carlos Drummond de Andrade, realizado por Francisco Stockinger (imagem abaixo):


Existem várias movimentações culturais que acontecem ao mesmo tempo na Praça da Alfândega, ou seja, através das instituições culturais que estão lá representadas por seus prédios, que em sua grande maioria já são obras artísticas, como o MARGS, o Santander Cultural e o Memorial do Rio Grande do Sul, por perto há também a Casa de Cultura Mário Quintana e futuramente na Praça teremos a Caixa Cultural. Além disso, existe uma variedade de artistas e artesãos que trabalham no entorno, fora das instituições, na rua, onde apresentam suas manifestações e suas obras.

Um exemplo é o Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense, que algumas vezes se apresenta por lá. A gravação abaixo não ficou das melhores, mas dá pra ter uma idéia de como a Praça da Alfândega se presta a essas improvisações, onde muitos estão de passagem e correndo, mas ainda existe um espaço e um tempo para apreciarem os artistas e darem uma contribuição pelos seus trabalhos.


1ª Foto: Vista da Praça da Alfândega e da Praça Rio Branco em direção ao cais do Porto. Aproximadamente final da década de 1930. Fonte: Acervo IPHAE. Fotógrafo desconhecido

Sobre o autor: Raul Campani é artista plástico pós-graduado em Gestão Cultural. Flerta com a música, gosta de filosofia, aficionado em genealogia e trabalha como economiário.YouTube|Facebook|Instagram

Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Olá Raul!!!

    Que demais este post!!! Adorei!!! Hoje mesmo passei por ali, é até emocionante ver o post da nossa cidade. Daqui à pouco começa a Feira do Livro e então a praça fica ainda mais bela!!!
    Bjus
    Bia :)

    ResponderExcluir