Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 21 de junho de 2015

Composição

Composição VIII, 1923 - Vassily Kandinsky - Museu Guggenheim, Nova York

Criar uma obra de arte é trabalhar com um arranjo lúdico, mas ao mesmo tempo com algo complexo, pois é como um jogo onde tentamos encaixar as peças para um melhor resultado e também comparável a uma composição arquitetônica, em que cada vez que se mexe em uma coisa se altera outra.

A harmonia ou desarmonia do conjunto estabelecerá o resultado da obra, com suas nuances compositivas, dando a expressividade que o artista quis colocar ou acabou conseguindo incluir de uma maneira consciente ou não.

Os sentimentos profundos, muitas vezes inconscientes e também irracionais acabam, algumas vezes, sendo desvelados através da obra. Não é apenas uma catarse psicológica, mas sim o resultado de um desejo de composição que venha ao encontro do que o artista quer ou que o satisfaça de alguma maneira, nem que seja algo que surgiu sem querer.

O resultado normalmente vem de muita dedicação, tempo e esforço. A inspiração de que tanto falam é importante, mas como já dizia Picasso, cumpre apenas uma pequena parte do trabalho. O sentimento vai gerar a expressão, algo que se quer transmitir do fundo de nossa alma através da obra. Além de tudo isso, o pensamento também tem o seu papel, através do estudo, reflexão e de muita observação das etapas realizadas até então.

A criação compositiva de uma pintura, por exemplo, é similar a de uma música, a junção de duas cores podem ser comparadas com a de duas notas, onde a distância cromática ou tonal entre uma e outra vai originar um novo conjunto, com sua personalidade própria. Daí vem o acorde, que é o resultado de algumas ou várias notas que se unem em um som especial, dando um novo sentido àquelas notas. Na vida também é assim, comparamo-nos uns aos outros, vivemos em sociedade, que é o resultado da junção de vários indivíduos no qual a compõem, e essa convivência pode ser harmônica ou não, dependendo da nossa capacidade de criar, compor, tocar e/ou pintar este mundo.

Sobre o autor: Raul Campani é artista plástico pós-graduado em Gestão Cultural. Flerta com a música, gosta de filosofia, aficionado em genealogia e trabalha como economiário.YouTube|Facebook|Instagram

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário