Meu pai, meu ídolo

De Sônia Campani, ao jornalista Paulo Moura:

Ídolos não morrem, nós os cultuamos dentro de nossos corações.

Meu pai foi um grande profissional, um mestre que deixou muitos seguidores. Tinha duas famílias: a família do casamento e a família do trabalho. Todos eram seus filhos queridos. Vou sentir muito a sua falta, perdi um grande amigo, dos momentos bons e ruins, um grande parceiro de vinho e de bagunça.


Quando fecho os olhos, vejo o meu pai, com os braços cruzados, sacudindo a cabeça e falando: "Que barbaridade! Isso são horas de chegar?" Ou, quando ligava para ele, falava: "Hein! Fala Sônia."

Lembro também, dos seus passos lentos e do seu radinho de pilha atrás do ouvido: "Fiquem quietos, tá na hora da loteria!"

Deixo aqui alguns trechos da música de Fábio Jr., que representa o que estou sentindo neste momento:
Pai!
Pode crer, eu tô bem
Eu vou indo
Tô tentando, vivendo e pedindo
Com loucura prá você renascer...

Pai!
Eu não faço questão de ser tudo
Só não quero e não vou ficar mudo
Prá falar de amor
Prá você...

Pai!
Você foi meu herói meu bandido
Hoje é mais
Muito mais que um amigo
Nem você nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz
Pai! Paz!...

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...