Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Três Artistas Latino-Americanos

Invasão da Noite, 1941, de Roberto Matta
Não há nada que resulte mais exaltante que descobrir em diferentes e às vezes distantes centros que se conjugam, se apóiam e se prolongam; se estabelecem parentescos, se justificam e se consolidam tentativas; as vitórias de cada um se convertem nas de todos. As distâncias e o tempo são vencidos. É verdadeiramente o patrimônio da humanidade presente, vivente, que se consolida e se estende.

Será talvez um dos elementos mais notáveis da história da arte moderna a participação cada vez maior e até essencial, que tomam os artistas da América Latina no movimento de criação plástica moderna. Talvez esses países novos, constantemente irrigados pelos aportes do Velho Mundo, estão melhor situados que os países europeus, que tantas contribuições tem dado à cultura universal, para levar até o fim de novas propostas, sem prejuízos e sem temores, para edificar pontes por cima das fronteiras, para realizar por si mesmos encontros, ressurgimentos e realizações.

Este processo de evolução que se pode notar nas novas vias de abstração, no realismo monumental, o encontramos também no campo do expressionismo e do surrealismo. Se sabe as pontes vivificantes que os surrealistas europeus encontraram no México e a importância de Roberto Matta nas formas atuais, como um dos militantes do movimento. Seria importante investigar por que vias se difundiu no continente americano ao redor de 1930 a mensagem surrealista com tudo que levava em si como libertação do inconsciente e de convicções exotéricas.
Drago, 1927, de Xul Solar
Xul Solar teve um laço estreito com o expressionismo alemão e em sua estadia na Europa também assimilou a literatura e a linguagem plástica do Simbolismo, Cubismo, Futurismo e Construtivismo, sintetizando uma verbal e visual linguagem de sua invenção, construindo imagens de seu próprio universo espiritual em aquarela.
Animais, 1941, de Rufino Tamayo

Assim como Rufino Tamayo também foi influenciado por estilos europeus, sem deixar de lado suas fortes raízes pré-colombianas.

E é sobre esses três artistas latino-americanos que vou falar nas próximas postagens, suas vidas, seus trabalhos e suas semelhanças entre si, uma delas que dá para notar neste primeiro momento: o cosmopolitismo.

Referência:
Catálogo de Las Obras Del Museo Xul Solar. Buenos Aires: Fundação Pan Club, 1990.

Continua em Xul Solar

Sobre o autor: Raul Campani é artista plástico pós-graduado em Gestão Cultural. Flerta com a música, gosta de filosofia, aficionado em genealogia e trabalha como economiário.YouTube|Facebook|Instagram

Comentários
7 Comentários

7 comentários:

  1. Xul Solar muito MirÒlino !! lindos Camo Landell

    ResponderExcluir
  2. Olá Raul!!!

    Não conhecia todos estes artistas latinos-americanos. Gostei muito da obra Drago, 1927, de Xul Solar com as diversas bandeiras, algo cosmopolita, achei bem autêntico.
    Realmente não é fácil manter um blog, é preciso tempo e dedicação, o seu também é de alta qualidade. Obrigada por seu comentário, a gente percebe quando as palavras são sinceras e verdadeiras.
    Bom domingo e boa semana!!!
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  3. Três artistas muito diferentes, sem dúvida.
    O primeiro quadro intrigou-me bastante. Gostaria de o ver em tamanho real e com mais pormenor. Atraiu-me bastante.
    Tens razão, os artistas Latino-Ameriacanos têm a sorte de poderem vir 'beber' saberes e inspirações ao velho mundo e soltarem amarras.
    Uma inspiração!
    Estarei atenta.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia e gostei da pintura!
    Todos com bastantes diferenças simbólicas. É sempre um prazer visitá-lo porque aprendo. Então de arte latino-americana conheço tão pouco. Somente alguns brasileiros famosos, da época de Almada Negreiros; Primo de Rivera, a mulher, e Botero. Neste momento não me recordo de mais.

    Graças!
    Abraço. :)

    ResponderExcluir
  5. Raul,
    Qual é o título do seu último trabalho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual Ana? Aquele com um quadrado branco e um preto? Se é esse que você está perguntando é "Ser ou Não Ser".

      Excluir
  6. Quanto às diferenças entre os três artistas, realmente elas existem, porém em uma próxima postagem vou explicitar suas afinidades e semelhanças.

    ResponderExcluir